Até chegar à sua casa, o grão de café passa por grandes transformações.

A Origem do Café

A lenda

O pastor etíope Kaldi percebeu que suas cabras ficavam agitadas após mastigarem frutos amarelo-avermelhados. Ele os experimentou para comprovar o efeito energético do café.

História

O fruto do cafeeiro era originalmente consumido in natura, por homens e animais na região da Etiópia. Por volta de 1000 d.C., os árabes começaram a fervê-lo.

No Brasil

As primeiras mudas chegaram a Belém (PA) em 1727. Por conta do clima, o grão passou a ser cultivado no Maranhão, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Minas Gerais.

O cultivo do grão

Arábica (Coffea arabica)

Dá origem a um café doce e requintado, com diferentes graus de acidez. A taxa de cafeína fica em torno de 1,4%. Corresponde a três quartos da produção mundial de café.

Robusta (Coffea canephora)

Permite um café com aroma e sabor característicos. Com taxa de cafeína de 2,5%, corresponde a cerca de um quarto da produção mundial do grão.

Regiões produtoras no Brasil

Rodônia

Robusta

Com temperaturas médias acima dos 26ºC, é o segundo maior produtor brasileiro da espécie Robusta.

Planalto da Conquista

Arábica

Clima tropical com temperatura média de 22°C. Café comaroma adocicado, corpo médio e acidez cítrica.

Cerrado Baiano

Arábica

Reconhecido pelo sabor agradável, aroma levemente frutado e floral, boa acidez e excelente doçura.

Espírito Santo

Arábica e Robusta

Responde por um quinto da produção nacional. Produz cafés levemente adocicados, com aroma caramelizado e acidez média.

Zona da Mata Mineira

Arábica

O clima quente, úmido e chuvoso possibilidade o cultivo de cafés finos por pequenos produtores.

Cerrado Mineiro

Arábica

Produz cafés encorpados com aroma intenso, caramelado, acidez cítrica e sabor de longa duração.

Sul de Minas Gerais

Arábica

Maior produtora mundial de café, com cercade 500 mil

hectares de cultivo. Caracteriza-sepelo aroma frutado e leve acidez

Mogiana Paulista

Arábica

Uma das mais tradicionais regiões produtoras de café do Brasil. Dá origem à bebida com sabor adocicado e encorpado.

Norte do Paraná

Arábica

Café doce, com acidez cítrica, corpo acentuado e aromas florais, cítricos, frutados e com notas de chocolate e caramelo.

As etapas da cafeicultura

Beneficiamento

Limpeza e remoção da casca, polpa e película interna do grão. Pode ser feito de forma natural (manualmente) ou pelos métodos cereja descascado (polpa retirada mecanicamente) e café despolpado (polpa, casca e mucilagem retirados mecanicamente).

Torra

Dependendo do método, os grãos são expostos a temperaturas entre 120°C e 230°C por até 12 minutos. A combinação de temperatura e tempo dá origem ao perfil de torra, que influencia diretamente na qualidade do café.

Moagem

Possui diferentes granulometrias, cada uma adequada a um tipo de preparo: Pulverizada (ou extrafina), fina para média, média e grossa. Cada uma permite uma bebida com sabores diferentes, para consumo caseiro ou em cafeterias.

Classificação da bebida do café espresso

Sabia que todo café de qualidade pode ser mais ou menos intenso? Essa forma de classificar a bebida é definida pelos seguintes parâmetros:

CLIQUE SOBRE OS ITENS PARA DESCOBRIR MAIS.

CREMAApenas no café expresso, deve ser homogênea e densa, em tom de avelã.

FRAGÂNCIAÉ o frescor do café que traz a sensação de sabor ao olfato.

AROMAApura as substâncias voláteis determinadas pelo grau de torrefação.

SABORDoce, salgado, ácido, amargo... As papilas presentes na língua os distinguem.

AMARGORContrasta com outros sabores de forma pronunciada, sendo facilmente percebido.

ACIDEZEquilibra as substâncias presentes no café que trazem a sensação de acidez.

CORPODepende da origem do grão. É a viscosidade da bebida, variando de leve a intenso.

SABOR
RESIDUAL
Percebida após apreciaro café. Pode ser mais ou menos prolongada.

Apresentações do Café

Grãos

Exclusivos para serem moídos após a compra, em moedores manuais ou automáticos.

Em pó

Apresentação mais comum, pode ser utilizado em métodos com e sem filtro.

Solúvel

Não precisa de equipamentos, sendo dissolvido diretamente na água quente.

Tipos de Café

Puros

Espresso

Traz quantidade e granulometria ideais para uma xícara de 50 ml. Apresenta uma crema densa.

Café curto

Café espresso de 25 ml a 35 ml. É mais encorpado por extrair a primeira parte dos óleos essenciais e açúcares do café.

Ristretto

Contém de 15 ml a 20 ml da bebida. Considerado o néctar do café, é extremamente doce quando bem preparado.

Espresso italiano

Assemelha-se ao espresso e ao café curto, porém preparado com blends diferentes. Contém de 25 ml a 35 ml.

Café carioca

É o espresso diluído em água quente, na proporção de 25 ml a 35 ml de café com 15 ml a 20 ml de água.

Café longo ou duplo

Semelhante ao carioca, porém servido em xícara de 50 ml a 110 ml, podendo conter água quente.

Café filtrado

Coado, o mais consumido no Brasil. É um café concentrado, coado e geralmente servido em xícaras de 50 ml.

Com Leite

Café com leite

Compreende café filtrado ou espresso na mesma proporção do leite aquecido. Pode apresentar ou não leite vaporizado.

Mocha

Geralmente trifásica, a bebida é composta por calda de chocolate, café com leite, leite vaporizado e espuma.

Cappuccino italiano

Apresenta 1/3 de espresso, 1/3 de leite vaporizado e 1/3 de espuma de leite.

Cappuccino

Tem a mesma composição que o cappuccino italiano, mas pode-se acrescentar canela ou chocolate e a espuma deve ser densa e cremosa.

Pingado

Tradicional no Brasil, a bebida é servida em um copo americano de leite aquecido com uma pequena quantidade de café.

Média ou café cortado

No exterior é chamado de Latte ou Café Latte. É composto por espresso, leite vaporizado e uma fina camada de espuma.

Macchiato

Também conhecido como “café com espuminha”. É um espresso com uma mancha de leite cremoso no topo.

Os profissionais envolvidos com café